Mulher não é só samba no pé, também é ritmo na palma da mão

Mulher não é só samba no pé, também é ritmo na palma da mão

Grupo BatuQdellas, com cerca de 50 mulheres integrantes, abre a temporada de Carnaval na Grande Vitória Desde os primeiros batuques, as mulheres

“Quando acordar a cidade”, peça com deficientes visuais será apresentada nesta terça-feira (13) no Teatro da Ufes
5 itens que não podem faltar na sua bolsa para o Carnaval
Dicas para curar a ressaca


Grupo BatuQdellas, com cerca de 50 mulheres integrantes, abre a temporada de Carnaval na Grande Vitória

Desde os primeiros batuques, as mulheres fazem parte do universo do samba. Mas, por muito tempo, essa presença foi apenas lembrada nas letras que falam de amor ou na beleza das sambistas que desfilam na avenida. Felizmente, a história vem seguindo outro caminho, e é assim que nasce em Vitória (ES) uma bateria formada unicamente por mulheres ritmistas: o BatuQdellas.

O grupo é formado por cerca de 50 mulheres, que se dividem nos mais variados instrumentos que integram uma legítima bateria – da caixa ao agogô, do surdo ao tamborim. E vão além: propõem a mistura de ritmos ao unir também guitarra e baixo elétrico, e fazem releituras que vão muito além do samba.

Conduzido e fundado pela mestre de bateria Crystal Vettoraci, a iniciativa surgiu no pré-Carnaval de Vitória em 2018, com o objetivo de preencher a lacuna da falta de mulheres no protagonismo do samba. Neste momento surgiu o primeiro bloco carnavalesco comandado exclusivamente por mulheres no Espírito Santo, que já na sua estreia levou milhares de pessoas às ruas do Centro Histórico da capital capixaba.

Comentários

WordPress 0
DISQUS:
Justified Image Grid Plugin