Ozônio é usado para descontaminar sala de vacinação contra Covid-19 e igreja em Vitória

Ozônio é usado para descontaminar sala de vacinação contra Covid-19 e igreja em Vitória

A sala de vacinação contra Covid-19 que fica ao lado da Igreja Batista de Vitória, em Jardim da Penha, passou a ser descontaminada com geradores de oz

Rafa e Pipo marques lançam “pimenta malagueta” para todo o Brasil
  Primavera: estação é ideal para iniciar tratamentos corporais
Perigo do uso do Álcool em Gel com o retorno das atividades

A sala de vacinação contra Covid-19 que fica ao lado da Igreja Batista de Vitória, em Jardim da Penha, passou a ser descontaminada com geradores de ozônio.

A sanitização – que é voluntária – acontece de sete em sete dias, após uma semana de imunizações no espaço. Processo semelhante aconteceu no Hemoes (Centro de Hematologia e Hemoterapia do Espírito Santo) e no Corpo de Bombeiros.

“São utilizados dois geradores por trinta minutos, por conta do metro quadrado do espaço. Durante o processo, ninguém pode ficar dentro da sala por conta do ar rarefeito. Por isso, acontece sempre após uma semana de trabalhos, já que a sala fica interditada”, explica Guilherme Guimarães, diretor da OX3 Vitória.

A Igreja Batista de Vitória também resolveu aderir ao processo, que acontece de 30 em 30 dias no templo, que, em tempos sem pandemia, pode receber cerca de 1.500 fiéis sentado. Lá, por conta do tamanho do espaço, são necessários quatro geradores que ficam trabalhando por cerca de 10 horas.

A Universidade de Campinas (Unicamp) já testou a relação do ozônio com o coronavírus. O Laboratório de Virologia do IB na Unicamp, coordenado pela professora Doutora Clarice Arns, utilizou ozônio em experimento para desinfectar máscaras cirúrgicas inoculadas com coronavírus e foi eficiente para redução de >= 99,99% dos vírus.

O uso do ozônio, portanto, também está sendo replicado em carros, restaurantes, clínicas e escritórios.

Comentários

WordPress 0
DISQUS: 0
Justified Image Grid Plugin