Risco de doenças crônicas entre população mais humilde é maior

Risco de doenças crônicas entre população mais humilde é maior

Uma nota técnica divulgada pelo IEPS (Instituto de Estudos para Políticas de Saúde) sobre os dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para D

Serra recebe R$ 10 milhões para investimento no Hospital Infantil
Prefeitura de Viana aciona Justiça para suspender a obra da Eco 101 no município
Especialista dá dicas para estimular o desenvolvimento infantil durante as férias

Uma nota técnica divulgada pelo IEPS (Instituto de Estudos para Políticas de Saúde) sobre os dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) mostrou que a desigualdade socioeconômica é determinante para o surgimento de doenças crônicas, entre elas a hipertensão e diabetes e que o risco de adquirir estas enfermidades chega a ser duas vezes mais entre a população menos escolarizada, ou seja, de menor renda, dos que tiveram uma educação formal por mais tempo.

Para a endocrinologista e Especialista em Medicina Esportiva, Gisele Lorenzoni, por conta da pandemia e de diversos dados já divulgados, a pobreza e o desemprego aumentaram, além dos preços dos alimentos, e isto reflete diretamente na saúde da população de baixa renda. “Muitos recorrem com maior frequência a alimentos industrializados e embutidos, além de ‘fast food’, e isto é fator de risco”, esclarece a médica.

O diabetes é uma doença que eleva os níveis de glicose no sangue, e pode ser ocasionada pelo sobrepeso. A hiperglicemia deve ser controlada por estar associada a lesões de microcirculação. “Com o tempo estas lesões podem prejudicar o funcionamento de vários órgãos como rins, olhos, nervos e coração”, explica a endócrino. Já a hipertensão é uma doença silenciosa e por conta disso, perigosa e também pode afetar a circulação sanguínea.

“Com as duas doenças em que a população brasileira é mais acometida por conta de sedentarismo, obesidade, e má alimentação, esta pesquisa acende mais ainda o alerta destes grupos de menor renda e escolaridade, que estão passando por isto”, afirma a médica.

Para ela, o sistema de saúde também tem que ficar atento a estas doenças, porque o reflexo chegará, com pacientes crônicos precisando de tratamento constante e ainda, outras doenças que são ocasionadas por estas.

Comentários

WordPress 0
DISQUS: 0
Justified Image Grid Plugin